O que é placebo?

Um placebo é um fármaco, terapia ou procedimento inerte, que apresenta, no entanto, efeitos terapêuticos devido aos efeitos psicológicos da crença do paciente de que ele está a ser tratado.

Por se tratar de um produto de livre comércio no Brasil, os cogumelos com a substância psilocibina da espécie psilocybe cubensis podem ser encontrados em lojas online.

Muitos médicos também podem atribuir efeito placebo a medicamentos com princípios ativos, mas que apresentam efeitos terapêuticos diferentes do esperado. Por exemplo, um comprimido de vitamina C pode aliviar a dor de cabeça de quem acredite estar ingerindo um analgésico, sendo um exemplo clássico de que o que melhora é não apenas o conteúdo do que ingerimos mas também o acreditar que estamos a ser tratados. Seguindo esta corrente de pensamento, o dicionário médico Hooper cita o placebo como “o nome dado a qualquer medicamento administrado mais para agradar do que beneficiar o paciente”.

O “efeito placebo”

Na pesquisa clínica, um dos problemas mais irritantes – pode-se até chamar de “efeito colateral” – é o conhecido como efeito placebo . Em numerosos ensaios de drogas para hipertensão, ansiedade, insônia, ou semelhantes, verificou-se que até um terço dos sujeitos de teste alcançam os mesmos efeitos desejáveis ​​com uma substância fisiologicamente inerte que são alcançados com as maravilhosas novas drogas milagrosas de o laboratório de pesquisas.

Tenho certeza de que a maioria dos médicos está totalmente ciente desse efeito. Sobre isso há relatos que esquizofrênicos agudamente perturbados, inquietos e ansiosos se acomodaram, rolaram e dormiram, e viciados em heroína cujos sintomas de abstinência cessaram após injeções de água destilada.

Quando se olha para os anos de prática e para a história da medicina, percebe-se que muitas substâncias administradas ao longo dos anos funcionaram não por qualquer ação fisiológica que possam ter tido, mas pelo efeito placebo.

Existem relatos, histórias de câncer que foram curados, ou pelo menos temporariamente remitidos, através da administração de placebos.

Sempre que um novo tratamento pouco ortodoxo é sugerido para uma doença incurável, como a esclerose múltipla, a resposta do estabelecimento é primeiro afirmar que o médico não alcançou os resultados que alega. Quando as histórias de seus pacientes indicam que ele realmente alcançou esses resultados, o estabelecimento levanta as mãos e diz: “Bem, é apenas o efeito placebo”, como se isso não importasse.

Isso é tão estranho? Examinemos por um momento o efeito placebo. Basicamente, acreditamos que não há limites para o que o corpo e a mente podem fazer para curar uma pessoa uma vez que o espírito da vida esteja totalmente ativado. Acreditamos que a causa raiz de todas as doenças, mentais e físicas, é uma diminuição da Energia Vital. E também acreditamos, com Hipócrates e outros grandes médicos ao longo dos milênios, que se a energia vital, a vis medicatrix naturae , o poder de cura da natureza dentro do paciente puder ser ativado, então a verdadeira cura ocorrerá e o corpo curar a si mesmo.

O corpo tem enormes poderes restauradores e um tremendo impulso para alcançar a normalidade. Este impulso homeostático não é utilizado, na verdade é amortecido, quando um produto químico sintético é usado em vez de ativar a Energia Vital.

A pesquisa médica ortodoxa nos mostra que até um terço dos pacientes podem ser curados da maioria das doenças por nada além da ativação acidental, não planejada e não intencional da Energia Vital do paciente. Como resultado de estarem no experimento e sob constante observação e monitoramento, eles se animaram. Eles tiveram sua fé restaurada, sua energia aumentada e seus corações abertos. E neste estado, a cura ocorre.

Muitas pessoas me disseram: “Não me importo se é ‘apenas’ o efeito placebo. Se isso me melhorar, isso é bom o suficiente para mim.” A maioria dos cientistas quando perguntados: “Como ocorre um efeito placebo?” responderá: “É apenas psicológico”. O que eles estão admitindo, portanto, é o enorme papel que a psique — e, por trás disso, o espírito, a Energia Vital — pode desempenhar na cura do indivíduo.

Nem tudo é placebo: potencial clínico da microdosagem de psilocibina

Drogas que agem no receptor 5HT-2A da serotonina, incluindo a psilocibina, têm efeitos anti-inflamatórios comprovados, e a neuroinflamação está fortemente implicada na patologia de Alzheimer.

Um ensaio duplo-cego controlado por placebo é o padrão ouro para qualquer estudo farmacológico, especialmente para aqueles que envolvem substâncias que alteram a mente. Estes estudos permitem-nos distinguir a influência intrínseca da mente dos efeitos fisiológicos da droga e são, portanto, indispensáveis.

A maioria dos benefícios alegados da microdosagem de psilocibina, tornam-se mais evidentes a longo prazo, dado que as pessoas estão apenas a viver as suas vidas, com o tempo novos caminhos para os mesmos problemas são encontrados de forma natural, a melhora no raciocínio lógico é um fator que ajuda muito para isso.

Resultados

Descrevemos novos achados, tanto em termos de resultados benéficos, como melhora do humor (26,6%) e foco (14,8%), quanto em termos de resultados desafiadores, como desconforto fisiológico (18,0%) e aumento da ansiedade (6,7%). Também mostramos paralelos entre vantagens e desvantagens e discutimos as implicações desses resultados. Nós investigamos diferenças dependentes de substâncias, descobrindo que usuários de cogumelo alucinógeno relatam que os benefícios da microdosagem eram mais importantes do que outros usuários relatam.

Conclusões

Esses resultados de métodos mistos (placebo + psilocibina) ajudam a resumir e enquadrar as experiências relatadas por uma comunidade de microdosagem ativa como avenidas de alto potencial para futuras pesquisas científicas.

A pesquisa de microdosagem com psilocibina complementa a literatura de dose completa à medida que os tratamentos clínicos são desenvolvidos e os mecanismos neurofarmacológicos são procurados.

Esta estrutura visa informar pesquisadores e médicos como a pesquisa experimental de microdosagem começa a sério nos próximos anos.

Onde comprar psilocibina para microdosagem

Com o avanço dos estudos clínicos referente a microdosagem com psilocibina acompanhado por psicoterapautas, muitos profissionais da área da psicoterapia estão se interessando pelo assunto, muitas vezes por intermédio de seus pacientes.

Os cogumelos alucinógenos geralmente são comercializados na forma desidratada embalados á vácuo.

Optar à cogumelos alucinógenos comprar online acabou se tornando a forma mais segura, pois ainda existem pessoas que preferem procurar as espécies de cogumelos com psilocibina em pastos e este ato pode se tornar muito perigoso não aconselhamos.

Deixe um comentário